Entrevista com Mãe Stella de Oxóssi

mae-stella.jpg

Numa manhã de quarta-feira, entre uma consulta e outra, Mãe Stella de Oxóssi nos recebeu na casa de Xangô e falou sobre o sacerdócio, a história do candomblé baiano e do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá. A conversa não pôde ser longa, porque, como sempre, uma fila de pessoas aguardava por seus conselhos. Ao seu lado, o inseparável pastor alemão. Iniciada na religião dos orixás há mais de 60 anos, Maria Stella Azevedo dos Santos é mesmo uma mulher singular. Assim como fizeram suas predecessoras no Afonjá, Mãe Stella mantém a tradição religiosa herdada da África com uma seriedade que faz desse terreiro um referencial para todo o candomblé. Uma tarefa que, garante ela, a absorve integralmente. A autora de livros, enfermeira e funcionária pública aposentada tem que dividir o seu tempo entre as atividades religiosas, as consultas e as solicitações de entrevistas, palestras e conferências em vários países. Com voz branda e uma fluência verbal invejável, ela revela a clareza e inteligência que a tornaram uma líder religiosa respeitada em todo o mundo. Mas, para as crianças do Afonjá, ela é apenas a “Tia Stella”.

por Agnes Mariano

AM – Nas comunidades religiosas nagôs, as mulheres têm um papel muito importante, diferente do que acontece  em outras sociedades e outras organizações religiosas. Gostaria que a senhora falasse por que isso acontece. É uma tradição que veio da África? Em que a mulher é diferente do homem? Porque elas têm esse papel?

MÃE STELLA – Veja bem, eu vou falar do Brasil e da Bahia, de algumas casas onde o valor, a liderança feminina é maior. Isso se deve às pioneiras do candomblé no Brasil, três mulheres que depois da libertação tiveram condições de abrir uma casa para culto aos orixás. Elas é que formaram a primeira casa que se tem conhecimento da nação iorubá no Brasil, que seria a Casa Branca. Então, essa casa foi crescendo, fazendo muitos filhos e ficaram essas três senhoras como responsáveis. Daí vem o valor feminino, porque essa casa tinha a característica de não iniciar homens. Se não iniciava homens e todos eram do gênero feminino, é lógico que não podia ter homem na direção. Então, a casa foi crescendo e sempre quando a coisa cresce, às vezes acontece um racha, não é? Foi o que houve na ocasião de Maria Júlia, a senhora que fundou o Gantois. Quando fundaram o Gantois, a característica também era a de não ter homem como líder, como pai-de-santo da casa. Mas no Gantois não se impediu que os homens tivessem cargos que sobressaíssem. Homens podem ter cargo, só não podem sentar como pai-de-santo. Depois do Gantois, aconteceu com Mãe Aninha, que fundou essa casa (o Ilê Axé Opô Afonjá) e que também seguiu essa mesma norma, que homem não seria líder da casa de Xangô, que é aqui o São Gonçalo. Aqui também se iniciam homens, mas homens iniciados aqui ou no Gantois já sabem que não podem ser pais-de-santo na casa de origem. Mas como essas duas casas iniciam homens e sabe-se que todo mundo, depois de determinado tempo, quando está completamente pronto para o orixá, poderá assumir uma liderança, alguns desses homens fundaram as suas casas, tanto do Gantois quanto do São Gonçalo. Não é proibido ser pai-de-santo, mas dentro dessas casas, na liderança, somente mulheres. Como existem casas grandes… A casa de Dona Olga (o Alaketu) também, porque a primeira liderança lá foi feminina. É uma casa antiquíssima, mais antiga do que essa nossa. E as mulheres dessas casas foram lideranças fortes, que deixaram o nome na história, que produziram, trabalharam em prol da crença dos orixás, que viajavam, que faziam movimentos para a libertação do candomblé. Tiveram muita resistência. Então, sabe-se que, a princípio, essas casas só podem ter responsáveis do gênero feminino. E, diga-se de passagem, a liderança feminina no candomblé é uma coisa muito forte, porque a mãe é mulher. Por mais rude ou enérgica que ela seja, sempre tem aquela nuance feminina para determinados detalhes. E para falar a verdade, eu acho muito bonito uma mulher como mãe-de-santo. Não que o homem também não tenha o seu charme, mas acho que eu já me acostumei com isso, ver uma mãe-de-santo na liderança. O homem tem o valor dele, existem pais-de-santo competentes, verdadeiros. Podemos dizer que o candomblé, na atualidade, não é uma crença, uma religião só de negros, nem só de mulheres. Os orixás são simbolizados pelas forças naturais, que são os fenômenos da natureza, e são coisas que não têm sexo. O vento tem sexo? Qual é o sexo do vento? Apesar de simbolizar o orixá chamado Iansã, o espiritual não tem sexo, não tem raça, nada disso.

AM – A senhora foi iniciada muito cedo, com 13 anos. A senhora imaginava que ocuparia um cargo como esse, tão importante? E como a senhora experimentou isso na sua vida?

MS – As pessoas que entram para a crença dos orixás com fé, com consciência do que estão fazendo, elas têm o gosto, a vontade de servir o orixá, de fazer tudo em prol. Eu creio que raríssimas pessoas entram para o candomblé já com a pretensão de ser mãe-de-santo. Quem tem juízo não pensa assim. Porque aí não é uma coisa espiritual, passa a ser uma coisa de superação. No candomblé, é a gente que se supera, não tem que superar o outro, tem que superar a si próprio. Não tem que tentar superar o outro com essa questão de valores materiais, não tem nada disso. E eu nunca tive essa pretensão. A minha alegria era servir ao orixá e à minha mãe-de-santo, fazer as coisas dentro dos parâmetros certos. Mas, por isso ou aquilo, o orixá, por intermédio do Oluô, me escolheu como líder daqui. A substituição aqui é feita através do jogo de búzios. Como na Casa Branca, que também é através do jogo de búzios. Do Gantois, eu não posso dizer muito, porque sabe-se que é uma substituição familiar. Cada casa tem um uso.

AM – E sobre a casa, o terreiro, como a senhora define? Porque antropólogos, escritores, visitantes falam muitas coisas. É uma casa religiosa? Tem semelhanças com uma escola, uma universidade, uma casa terapêutica, onde as pessoas buscam cura? Como a senhora define o terreiro? É uma família?

MS – A princípio, todo terreiro é uma família, porque é a família espiritual. Nosso chefe, nosso patrono aqui é Xangô. Então, tudo aqui é feito com as bênçãos, as determinações de Xangô. Ele não vem e fala, mas, através dos búzios, de certas práticas, nós podemos contar com ele. Então tudo o que aqui é feito é por orientação espiritual de Xangô. E, como na vida, a comunidade axé é uma escola. Aqui a gente aprende o lado espiritual – e o espiritual apenas por si só é importante -, mas não é a única coisa que existe na sociedade, por isso temos o lado social. Temos o espiritual e o social. Então esse espaço que nós ocupamos é como se fosse uma pequena cidade. Uma cidade que já vem do tempo de Mãe Aninha, quando ela caracterizou aqui como a África, botando uma casa para cada orixá. Enquanto lá, cada orixá tem a sua tribo, a sua cidade, ela deu um espaço para cada um, onde eles têm seus rituais, em dias diferentes, separados, cada um seguindo os seus preceitos. E também a resistência maior da raça negra foi na religião, na crença dos orixás. Se não fosse assim, a mulher da crença nos orixás não teria essa auto-estima. O pessoal de candomblé tem auto-estima, o pessoal de candomblé se gosta, gosta de si próprio e, até por osmose, gosta do irmão, porque os que entram aqui estão todos sobre orientação de Xangô ou de Oxalá. São todos irmãos e a coisa mais normal do mundo é que um irmão goste do outro, com raras exceções, mas é normal na vida.

AM- Fale mais sobre essa resistência através da religião.

MS – Isso vem do tempo de Mãe Aninha, a fundadora, que naquela época de repressão procurou apoio até com o presidente da República e se integrou na Igreja Católica. Naquele tempo, ser da Igreja Católica era ter status, porque quem mandava era o branco e essa era a religião do branco. Daí foram fundadas as irmandades, como a do Rosário dos Homens Pretos, a Irmandade da Barroquinha e outras mais, onde a mulher negra podia fazer os seus cultos. Era proibido adorar os orixás. Quem era espiritualizado precisava encontrar qualquer coisa espiritual para se apegar e foi por isso que surgiu o sincretismo, quando se faziam as coisas meio mascaradas. Se adorava o orixá de uma forma velada, como se estivesse cantando para os santos. E o negócio foi tão seguro que, atualmente, nós já estamos livres, mas temos tido muito trabalho para o povo de orixá se conscientizar da importância do orixá, da força e da energia. O orixá é uma coisa independente de qualquer outra crença, como qualquer outra crença é independente do candomblé. Então, o bom e o bonito é que cada um se fixe na sua crença, nos seus símbolos, na sua energia e não precise se segurar no outro para mostrar potencialidade.

AM- A senhora tinha falado que, além da parte espiritual, existe a parte social do terreiro.

MS – Pois é. Aqui, além de cuidar da parte do orixá – que são as festas que você conhece, independente dos rituais internos que só cabem a nós -, a gente tem a parte social. Fundamos uma escola, num convênio com a prefeitura, que tem 300 crianças. As professoras fazem um serviço muito bom e que a prefeitura reconheceu, tanto que ela já passou a ser escola referência. É uma escola da rede pública e atendemos à lei que diz que a liberdade de culto deve existir. Ali não se ensina candomblé nem iniciações, mas muita coisa relacionada com a cultura africana iorubá. Nós não somos africanos, somos brasileiros, afro-brasileiros. É fanatismo dizer que somos africanos. Somos afro-brasileiros, descendentes de africanos. Então, alguma coisa da cultura africana é passada no colégio, mas nós não aceitamos apenas alunos e pessoas ligadas aos orixás. É um espaço aberto. Temos professores e alunos de outras religiões. Eles não estão aprendendo religião, porque religião não se impõe. Escola para religião é bobagem. O professor e o diretor do colégio têm que enfatizar a cultura deles, mas não se força religião. Fizeram isso com os negros, com os índios, mas isso é contra a humanidade.

AM – E vocês têm também o museu, a biblioteca, oficinas…

MS – É, estou falando da escola só para você entender como funciona. A diretora Marivalva está ali há 20 e alguns anos, desde quando funcionava nesse mesmo lugar uma creche, num convênio com outro órgão. Como este órgão foi responsável pela construção, compramos o prédio, mesmo sendo aqui dentro do terreiro, para poder ser nosso. Como a escola foi uma experiência boa – está sendo boa e será melhor, com fé em Deus – resolvemos fazer o museu, em 1983. Vera Felicidade foi a pessoa responsável, uma filha-de-santo nossa. Eu estava recentemente aqui no axé e fiz uma viagem à África, onde vi aquelas coisas todas. Aqui também eu via tantas coisas bonitas jogadas aí pelos cantos. Até que, conversando com Vera, ela tomou para a si a responsabilidade e criou o Museu Ohun Lailai. Temos uma biblioteca também, onde a responsável é Luzia Leal, uma bibliotecária aposentada. Todos aqui são voluntários. Luzia instalou a biblioteca, deu nome e está tomando conta. Nós recebemos doações: eu tinha a minha biblioteca particular, que doei toda, e muitas pessoas também têm doado muitos livros e ainda queremos mais. Temos também um grupo de estudos. Os responsáveis são Cléo Martins e Roberval Marinho. Principalmente esses dois estão à frente, que são os nossos filhos-de-santo pensadores. Ana Rúbia é nossa auxiliar, porque ela faz tudo aqui. Temos também um projeto com o Comunidade Solidária e o Unicef. A responsável é Tereza, outra filha-de-santo, que está fazendo várias oficinas para dar ocupação a essas crianças. Estamos todos preocupados com isso. Também fazemos aqui em casa seminários entre nós mesmos, de vez em quando, para bater papo. É daí que surgem coisas como o Festival Alaiandê Xirê, uma criação de Cléo e Roberval. Este foi o terceiro ano do Alaindê e está dando certo, fazendo sucesso, está repercutindo lá fora. Nós juntamos o lúdico com o espiritual e deu certo, tem tido muita aceitação das pessoas.

AM- Aqui no Afonjá os homens só podem exercer os cargos de obá, ogã, alabê e axogum?

MS – É. Tem outros mais, mas esses são os principais.

AM- A senhora tem idéia de quantas são as pessoas ligadas à casa, os iniciados, os filhos-de-santo?

MS – Isso é impossível, porque aqui é uma passarela, né? Nós temos efetivamente os feitos de santo, os iniciados, um grupo muito grande. Mas eu não sei o número. Temos também os visitantes, os clientes, pessoas que necessitam e vêm até aqui. Um grupo transitório, eles vão e voltam.

AM- Diariamente vêm pessoas aqui?

MS – Quase que diariamente. O meu dia de atender era quarta-feira, mas é tanta gente que vem… Fico com pena de ver as pessoas chegarem e voltar chorando. Eu aí atendo e isso até impede a minha vida social. Eu quase não faço mais nada a não ser trabalhar aqui dentro. Virei uma escrava. Mas a compensação é que a gente tem a sensação do dever cumprido, vê que conseguiu ajudar algumas pessoas. A gente não se julga onipotente, mas damos graças ao orixá por conseguir ajudar. Quando nada, o bem-estar. Muita gente vem aqui para nada também, porque gosta do espaço. Vem, senta-se aí, passa a tarde sentado nesse espaço e vai tranqüilo. Não toma um banho, não faz nada, só vem pelo axé. Deve ser o astral que é bom, não é? (Risos). Pronto, iaiá.

(06 de janeiro de 2001)

18 respostas em “Entrevista com Mãe Stella de Oxóssi

  1. #

    robson almeida
    02/10/2007

    Quero saber sobre orixa oxosi.
    qual dia que posso ter mais força e energia devido ao meu orixa.
    axe

    #

    Agnes
    04/10/2007

    Robson,

    olá. apesar do nosso cuidado na abordagem do tema, não somos especialistas em candomblé. sugerimos que você procure livros (com os de pierre verger) ou terreiros para se informar. boa sorte em sua busca. em breve postaremos novas reportagens, inclusive sobre candomblé.

    abç

    #

    marcia ligia
    27/01/2008

    por favor preciso ajuda frequentei por 02 anos barracão candomble, mas fechou aproximadamente 01 ano, no Barracão me disseram que sou filha de OXUM KARE e XANGO< agora estive em um Centro de Umbanda a onde no jogo de buzios disseram que sou filha de IEMANJA, OGUM e padrinho OXALA minha data de nascimento 06/07/1952, por favor me ajude de quem sou filha ?Obrigada

    #

    Agnes
    28/01/2008

    Márcia,

    Olá. Até onde sabemos, qualquer sacerdote ou sacerdotisa sério vai te disser que precisa consultar os búzios para poder respondê-la. Tente procurar algum terreiro respeitável.
    Abç

    #

    paulo brahim adba
    18/03/2008

    gostaria de saber, se esta fase que estou passando vai ainda demorar.

    #

    Agnes
    22/03/2008

    Paulo,

    Olá. Os textos que publicamos aqui são feitos por jornalistas, por isso não temos como ajudá-lo. Sugerimos que você procure algum terreiro de candomblé para se informar. Boa sorte em sua busca.

    #

    Baba Mauro Tosun
    10/05/2008

    Acessem a Unica Radio do Candomblé no Brasil na Internet http://www.ketubrasil.com

    #

    stellinha
    19/06/2008

    iidiotisse isso tudo

    #

    ana
    17/09/2008

    leia com atenção

    #

    Ricardo gama
    01/02/2009

    Lindo testemunho!!!!!!!!!!!!

    #

    Marta
    12/01/2010

    Olá gostaria de fazer uma revelação para que todos os zeladores e zeladores tomem conhecimento de como estão denegrindo a nação uma zeladora chamada Fatima do ilé asé omilode no 2º distrito cabo frio rio de janeiro na rua dos tatus denegriu mais uma vez a nação quando roubou o marido de uma das suas filhas de santo. Como podemos confiar em uma zeladora ou zelador que faz isto. Ao invés de ajudar seus filhos toma o próprio marido da outra. Espero que isto seja divulgado ao maior número de zeladores. para que está indigna zeladora não denigra mais a nação. Obrigado.,

    #

    jeferson
    12/05/2011

    queria saber quanto seria pra mae estema joga buzio e se presica marca pois tive um sonho com ela

    • poxa achon interessante esse comenterio sobre a fatima de oxum!só se esquecero de falar quantas bem feitorias essa zeladora fez para seus filhos de santo!quanto ela ter roubado filhos de santos de suas mulheres ñ consigo enxergar isso!talvez isso saja um grande equivoco!!enxergo que vcs deveriam saber o que posta para que isso ñ sirva para vcs mesmo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!dofona de odé feita por fatimna de oxum !!!!!!!!!!!,ê ñ preciso esconder isso!nem meu verdadeiro nome.façam uma terapia uma pia cheia de louça já é um começo para sua terapia!abraços deixem de ser enxeridos.o que ela faz ñ interessa ou então começer a pagar suas contas!axé para todos

  2. Pingback: Textos sobre a fé | Agnes Mariano

  3. Preciso de preces,orientações para ajudar o meu filho a se livrar das drogas. Ele tem um grande afeto por Oxossi. Já fiquei tão angustiada com algumas casas que procurei.Estive umas duas vezes no Terreiro da Mãe Stella, mas não tive a sorte de encontra-la.
    Louvado seja Deus!

  4. Conheci Mae Stella que me atendeu mesmo adoentada. Coneci meu orixa e tenho procura do receber sua ajuda chama do-o com assiduidade. Considero -meus filho do terreiro de Xango no Opo Afonja. Obrigado pelo envio da entrevista de Mae Stella / Carlos Alberto Leite- 25 /Marco/2013

  5. Consideramos a Yalorixá Stella de Oxossi, Odé Kayode, como sendo a principal referência contemporânea para todos os sacerdotes e sacerdotisas dos cultos de matriz africana no Brasil. Seu mérito não está apenas no questionamento da perpetuação do sincretismo religioso, mas principalmente na legitimação da posição do líder religioso que se pronuncia diretamente com os adeptos de sua religião sem a utilização do recurso de intermediários. Apesar de ser a representante de uma longa linhagem de sacerdotisas conservadoras Mãe Stella representa a transição entre o velho e o novo, assumindo a responsabilidade de promulgar novas adaptações necessárias a perpetuação das tradições em realidades do século XXI, algumas delas nunca antes vivenciadas.

  6. Robson Almeida, o ponto alto da vibração do Orixá Oxossi é o quinto dia da lua nova.
    Seu habitat natural são as matas fechadas.
    Imantação – milho verde, milho em grão e coco.
    Libação – mate, água de coco e suco de abacaxi
    Banho de descarrego – folhas de eucalipto ou cipó cabeludo.
    Essências que correspondem a vibração do Orixá Oxossi – sândalo e couro-da-rússia.
    Utilização das essências – sândalo, usada das 7:00 às 9:00 h para obter favores e estabelecer planos a serem executados; e das 20:00 às 22:00 h para obter força e energia.

    Informações retiradas do livro “Umbanda A Caminho da Luz”, de autoria do Babalorixá Paulo Newton de Almeida. Editora Pallas.

    Apesar dos questionamentos diante seu recorrente orientalismo, o Babalorixá Paulo Newton de Almeida (sacerdote da Religião de Umbanda) é sem sombra de dúvida alguma um dos principais expoentes para o espiritualismo abrangente no Brasil nesta virada de século, repleta de questionamentos e profundas transformações. A ele, meus respeitos.

  7. Tenho o maior respeito pela própria Mãe Stella que e digna de todas as honras e homenagens . O povo africano e o povo negro escravizado pela estúpida socialização dos brancos deve orgulhar- se de sua defensora . Infelizmente minhas condições de saúde impedem de vê- la com maior freqüência / agradeço sua menagem – mão xango !

  8. mae stella como faz pra ser jovem ? Bem dona stella vc e um grande exenplo da cultura afro . Bem a senhora e uma pessoa com muita fe e muita sabedoria . Adorei conhece vc na pequena cidade de cabaceiras do paraguaçu no dia30/10 no parq historico . Parabens pelas conquustas e q deus te abençoe senpre .

  9. Sou seguidora dessa sacerdotisa. Fico feliz ao ler seus comentários sobre religião.
    Em uma época que temos poucos líderes ensinando a origem do candomblé. A senhora é de uma humildade e sabedoria que me faz acreditar que existe um caminho seguro e respeitado.
    Sou iniciada no ketu(engenho velho),mas faço dá sua literatura um combustível para seguir na religião.
    Eu peço a Oxóssi que me conceda o privilégio de lhe pedir a bença pessoalmente.
    Que ele a faça feliz a cada dia, muito ase, bença.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s